Em Nome Próprio - Não abandone o seu melhor amigo


Autor: Patrícia Baptista; Categoria: Crónicas; Tags: Animais, Idioma: Português; Data: 01-08-2018 às 19:30



Olá amigos da Antena Web. Voltei. E volto com um tema que me é caro. O abandono de animais. Faço-o agora pois o mês de Agosto está aí e é o mês em que se registam mais abandonos de animais de companhia. Eu sei que esta época é tramada em relação ao abandono animal porque faço voluntariado numa associação, uma IPSS que acolhe animais abandonados. E digo-vos, é dramático.
Se nunca visitaram uma associação destas, aconselho-vos a fazerem. Ir-lhes-ia dar uma consciencialização que outra forma não a obteriam. E digo-lhes também: As associações não são perfeitas, portanto se virem algo que considerem não estar bem, ajudem, com ideias, com trabalho, com donativos, não critiquem. Criticar é fácil. E estas associações são formadas por particulares que dão o sangue, suor e lágrimas para poderem dar um mínimo de condições a animais rejeitados por todos nós. Não imaginam o trabalho que estas pessoas têm. E o desgaste, não só físico mas, principalmente, emocional. Pois lida-se com muito sofrimento.
Imaginem, têm em casa um cão ou um gato que vos atrapalha os planos de férias, resolvem abandoná-lo. De início o animal fica confuso e mantém-se na área, pois acredita que o irão buscar. Outros tentam seguir o carro e outros tentam reressar a casa. Muitos são atropelados e se não morrerem instantâneamente, agonizam até à morte. Se tiverem sorte, mas mesmo muita sorte, são recolhidos por uma associação. E aí é um tiro no escuro. Muitos animais ficam traumatizados, em stress, pelo barulho e agitação que existe nas associações. Alguns integram-se. Outros, que são os que me tiram o sono, a paz, partem-me o coração e fazem-me odiar quem os abandonou, outros ficam tão tristes por não estarem com a sua família, na sua casinha, com as suas referências, que desistem de viver. Recusam-se a comer, ficam num canto, enrolados, tristes, a definhar até morrerem. É desesperante ver um animal assim. Sim, eles morrem de tristeza. E, se lhes aparecesse o dono, perdoariam num lapso de tempo. Mas isso nunca acontece.
Não pensem que os animais abandonados são problemas das associações ou das câmaras municipais, são problema e culpa de todos nós. Se não pode e não quer ajudar de uma maneira, faça-o de outra, há mil e uma formas de ajudar.
Antes de adotar um animal pense em todos os aspetos da sua vida e se nela pode integrar um animal. Se tem meios para o levar ao veterinário, se ele precisar de uma cirurgia, vacinas, desparasitantes, etc. Pense bem. Se for a uma associação e lhe fizerem muitas perguntas, não fique melindrado, cada animal que lá está é fruto de muito esforço, financeiro, emocional e muito trabalho. Não se entrega um animal que já sofreu tanto a qualquer um, para depois ainda ser mais mal tratado? Não. Respeitem as associações e respeitem o vosso animal, é família. E esses, lhes garanto, sejam bonitos, feios, novos, velhos, bons ou maus, esses nunca o julgarão e nunca, nunca o abandonarão.
Boa semana amigos.


Comentar







Voltar página anterior